Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Sessão especial e estreia de "Que Horas Ela Vola?"


       O CineBancários estreia o aguardado novo longa-metragem da cineasta Anna Muylaert,  “Que Horas Ela Volta?”, no dia 27 de agosto (quinta-feira), nas sessões das 15h e das 19h. Antes da estreia, no dia 26 de agosto (quarta-feira), haverá uma sessão especial gratuita, às 19h30m (distribuição de senhas a partir das 19h), com a presença da atriz Karine Telles,  que fará um bate-papo com o público após a sessão. 
     Além de aclamado pelo crítica, o filme ganhou destaque nos festivais de cinema, tanto nacionais quanto internacionais, e ganhou prêmios como o de Melhor Atriz pelo júri popular no Festival de Cinema de Sundance para Regina Cazé e Camila Márdila e Melhor Filme do Público no Festival de Cinema de Berlim. Recentemente o filme abriu o Festival de Cinema de Gramado em sessão hors concurs. 

SINOPSE:
Que Horas ela Volta? conta a história de Val (Regina Casé), uma pernambucana que se muda para São Paulo para trabalhar como babá do menino Fabinho ( Michel Joelsas) e deixa aos cuidados da avó sua filha Jéssica (Camila Márdila). 
Após 13 anos de serviço Val tornou-se uma segunda mãe para Fabinho e também a administradora absoluta da casa dos simpáticos patrões Barbara (Karine Telles) e Carlos (Lourenço Mutarelli), A ação do filme começa quando Val recebe a notícia que sua filha vem para São Paulo prestar vestibular. Val pede o apoio dos patrões que aceitam hospedar a menina junto com a mãe no quartinho dos fundos. 
A família de Fabinho recebe a menina de forma cordial, mas como ela não segue as regras invisíveis de comportamento e protocolos esperados para ela, a situação se complica. Esses conflitos farão com que Val precise encontrar um novo equilíbrio na sua vida.

ELENCO:
Regina Casé estrela o filme como a empregada Val, numa interpretação considerada impressionante por vários críticos internacionais. Sobre ela escreveu Carlos Boyero – maior crítico da Espanha - do jornal El País: “Me informaram que a protagonista Regina Casé é uma das atrizes mais conhecidas do Brasil. Se não tivesse esse dado, poderia acreditar que não era uma atriz profissional, e sim alguém que passou sua vida trabalhando como criada. Sua naturalidade e autenticidade são extraordinárias”, destaca ele.
A jovem Camila Márdila co-estrela o filme, como Jéssica, a filha de Val. As duas ganharam
juntas o prêmio de Melhor Atriz no último Festival de Sundance.
Como patrões, a carioca Karine Teles (“Riscado”) e o ator/escritor paulista Lourenço Mutarelli (“Natimorto”) representam o brasileiro abastado, liberal e até onde possível, gentil. Como filho do casal e “segundo filho“ de Val, Michel Joelsas (o menino de “O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias“). Além deles, o filme tem participações de Helena Albergaria (“Trabalhar Cansa”), como a faxineira Edna, Luiz Miranda e Theo Werneck como empregados da casa.

EQUIPE:
Na equipe estão nomes prestigiados como a diretora de fotografia uruguaia Bárbara Alvarez (“Whisky” e “Mulher Sem Cabeça”) direção de arte de Marcos Pedroso (“Praia do Futuro”) e do jovem pernambucano Thales Junqueira. Na montagem Karen Harley (“Baixio das Bestas”, “Febre do Rato”) e música original de Fabio Trummer (“Banda Eddie”).

ANNA MUYLAERT:
Diretora e roteirista, Anna Muylaert nasceu em São Paulo, em 1964. Estudou cinema na Eca / USP. Foi crítica de cinema da revista IstoÉ e do jornal O Estado de São Paulo. 
Dirigiu os longas “Durval Discos”, 2001 (Melhor filme, de júri, publico e crítica no Festival de Gramado em 2002), “É Proibido Fumar”, 2009 (Melhor filme do júri e da crítica Festival de Brasília 2009) e “Chamada a Cobrar” (2011). 
Colaborou nos roteiros dos longas metragens “O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias”, “Xingu”, de Cao Hamburger e “Praia do Futuro”, de Karim Ainouz, entre outros. 
Na TV participou das equipes de criação dos programas “Mundo da Lua” e “Castelo Rá-Tim- Bum”, na TV Cultura; “Disney Cruj”, no SBT; “Um Menino Muito Maluquinho”, na TV Brasil. Já na HBO, participou dos roteiros de “Filhos do Carnaval”, “ Alice” e dirigiu 2 episódios de “Preamar”. Fez a direção geral da série “As Canalhas”, no GNT. Em janeiro de 2014 rodou o longa “Que Horas ela Volta?” (Melhor Atriz Festival de Sundance 2015 e prêmio do público da Mostra Panorama/ Berlinale 2015). Em novembro 2014 filmou o longa “Mãe Só Há Uma”, em fase de montagem.
É mãe de José e Joaquim.

FESTIVAIS E PREMIAÇÕES:
Em agosto de 2014 a produção participou do Festival Internacional de Cinema de Locarno
na seleção “Carte Blanche”.
        No Festival de Sundance, que ocorreu entre 22 de janeiro a 01 de fevereiro de 2015, participou da seleção World Competition onde foi aplaudido de pé. O júri concedeu às atrizes Regina Casé e Camila Márdila o prêmio especial do júri de melhor atriz.
No Festival de Berlim, em fevereiro de 2015, “Que Horas Ela Volta?” ganhou o prêmio de melhor filme da audiência na Mostra Panorama com um total de 31.200 votos do público, concorrendo com mais de 30 filmes.
Também no Festival de Berlim recebeu o prêmio CICAE Art Cinema concedido pela “International Confederation of Art House Cinema”, júri independente do festival.
No festival francês 3 Valenciennes o filme ganhou o prêmio de Melhor filme e também melhor atriz para Regina Casé.
No festival de Valletta na Ilha de Malta, Anna Muylaert ganhou o prêmio de melhor direçãoo.

INTERNACIONAL:
“Que Horas Ela Volta?” é o filme brasileiro recente com maior carreira internacional. Além de ter sido premiado nos festivais de Sundance e em Berlim, foi vendido para 22 países na Europa, Ásia e Oceania.
No último verão europeu já foi lançado em diversos países dentre eles: França, Itália, Espanha, Bélgica, Suíça e Holanda.
Na França foi lançado em 24 de junho com mais de 100 cópias em 120 cidades, conquistando um público de 105 mil espectadores em 3 semanas.
Na Alemanha será lançado em 52 cidades.
Na Itália, foi lançado em 4 de junho em 70 cidades, conquistando um público de 70.000 em 3 semanas.
Na Espanha, foi lançado em 24 de junho em 11 cidades, conquistando um público de
quase 15.000 no primeiro final de semana.

FICHA TÉCNICA:
Roteiro e direção: Anna Muylaert
Elenco: Regina Casé, Camila Márdila, Karine Teles, Lourenço Mutarelli, 
Michel Joelsas e Helena Albergaria
Direção de Fotografia: Bárbara Alvarez
Direção de Arte: Marcos Pedroso e Thales Junqueira
Produção de Elenco: Patrícia Faria
Figurino: André Simonetti e Claudia Kopke
Maquiagem: Marcos Freire e André Anastacio
Trilha Sonora: Fábio Trummer e Vitor Araújo
Som Direto: Gabriela Cunha
Supervisão de edição de som: Miriam Biderman e Ricardo Reis
Mixagem: Paulo Gama
Montagem: Karen Harley
Assistente de direção: Leticia Prisco e Suzy Milstein
Supervisão de pós-produção: Patrícia Nely
Coordenação Internacional: Manuela Mandler
Direção de produção: Jair Neto
Cartaz e artes: Moovie
Relações Institucionais: Ana Saito e Mariana Mecchi
Coordenação executiva: Sônia Hamburguer
Produção executiva: Caio Gullane e Claudia Büschel
Produtor associado: Guel Arraes
Produzido por: Caio Gullane, Fabiano Gullane,
Débora Ivanov e Anna Muylaert
Produção: Gullane
Produção Associada: Africa Filmes
Coprodução: Globo Filmes
Sales Agent: The Match Factor
Distribuição: Pandora Filmes

Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$8,00. Estudantes, deficientes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$4,00. 



quinta-feira, 6 de agosto de 2015

"Real Beleza", de Jorge Furtado, no CineBancários


O CineBancários estreia o filme “Real Beleza”, do premiado cineasta gaúcho Jorge Furtado,   na quinta-feira, dia 6 de agosto, nas três sessões diárias, às 15h, 17h e 19h. O longa conta a história de João (Vladimir Brichta), um fotógrafo que procura candidatas a modelo em cidades do interior gaúcho. João conhece uma jovem de rara beleza, Maria (Vitória Strada), e acaba se envolvendo com a mãe dela, Anita (Adriana Esteves). O pai da menina, Pedro (Francisco Cuoco), não quer deixar que ela seja modelo. João se apaixona por Anita e agora quer levar embora mãe e filha. 



APRESENTAÇÃO:
Com uma mistura de referências literárias, fotográficas e musicais, o longa “Real Beleza”, dirigido por Jorge Furtado, constrói a busca de João (Vladimir Brichta), um fotógrafo reconhecido internacionalmente pela estética perfeita ao entrevistar centenas de modelos. A trama muda de rumo partir do momento em que João conhece Maria (Vitória Strada), uma menina menor de idade, que tem como sonho viver o glamour das passarelas. 
A jovem enfrenta a resistência de Pedro (Francisco Cuoco), seu pai, para começar a carreira de modelo. O embate familiar faz com que João vá até a casa da família para tentar convencê-lo. Lá, o fotógrafo conhece Anita (Adriana Esteves), mãe da Maria, e os objetivos da viagem passam por intensas transformações. 
O roteiro de “Real Beleza” também é assinado por Jorge Furtado. “No filme, João é um fotógrafo em busca de uma beleza que ele reconhece, embora não saiba explicar. Pedro é um sábio, de grande memória, que não tem a capacidade de criar e está perdendo a visão. João vai descobrir, em sua busca, que existem muitas formas de beleza”, conta Furtado. Assim como o personagem principal do filme, ao longo de sua filmografia, o diretor também se engajou na procura por uma estética singular. 
“Meu último longa de ficção, 'Saneamento básico, o filme', terminava com uma frase de Dostoiévski que cobria a nudez de Camila Pitanga: ‘A beleza salvará o mundo’. Não sei se sou tão otimista, mas se algo pode nos salvar é a beleza, que a todos comove. Talvez seja esta crença a origem deste filme. Mas eu me lembro também de ter lido uma matéria num jornal inglês que falava das muitas gaúchas que se tornaram top-models internacionais, a mistura que aconteceu por aqui de italianos, alemães, portugueses, espanhóis, negros e índios, resulta em algumas das mulheres mais bonitas do mundo e traz ao estado muitos caçadores de talentos. Outro possível ponto de partida para o filme foi a constatação que o amor não tem idade, mas o tempo é um inimigo invencível”, explica Jorge Furtado. 

ELENCO:
Adriana Esteves
Vladimir Brichta
Francisco Cuoco
Vitória Strada

FICHA TÉCNICA:
Roteiro e Direção – Jorge Furtado
Produção Executiva – Nora Goulart
Produtor Associado – Guel Arraes
Direção de Fotografia – Alex Sernambi
Direção de Arte – Fiapo Barth
Figurinos – Rosângela Cortinhas
Montagem – Giba Assis Brasil
Direção Musical – Leo Henkin
Produção de Elenco – Simone Buttelli
Direção de Produção – Bel Merel


segunda-feira, 13 de julho de 2015

Segue em cartaz até dia 5 de agosto o documentário "A nação que não esperou por Deus"


O CineBancários exibe com exclusividade até dia 5 de agosto o novo longa de Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen: “A Nação Que Não Esperou Por Deus”. O filme, que participou do último Festival É Tudo Verdade, será exibido nas três sessões diárias,15h, 17h e 19h.



SINOPSE:
“A Nação Que Não Esperou Por Deus” foi filmado no Mato Grosso do Sul, onde os cineastas Lucia Murat (Quase Dois Irmãos) e Rodrigo Hinrichsen mostram o impacto da chegada da eletricidade na região em paralelo aos impasses decorrentes de conflitos com pecuaristas, que invadiram parte de uma reserva.
Em 1999, durante as filmagens de "Brava Gente Brasileira", Lucia Murat entrou em contato com os índios Kadiwéu. Desde então, a luz elétrica chegou à aldeia, e com ela a televisão. Cinco diferentes igrejas evangélicas se estabeleceram na reserva. Terras indígenas estão ameaçadas pela exploração pecuarista. Quinze anos depois, a diretora reencontra a Nação Que Não Esperou Por Deus.
Produtora, diretora e roteirista, Lucia Murat fala sobre o filme: “As reuniões que filmamos entre os Kadiwéu e os pecuaristas sobre a questão das terras e que estão apresentadas no documentário são reveladoras não somente da situação atual, mas dos preconceitos que se acumularam na história da conquista. A singularidade do projeto está no fato de termos o material filmado em três momentos diferentes, ao longo de 17 anos. Com isso, podemos acompanhar a história da tribo durante um período de grande transformação, quando o contato com a sociedade branca se intensifica.”

SOBRE LUCIA MURAT:
Seu primeiro longa-metragem, o semidocumentário “Que bom Te Ver Viva” (1988), estreou internacionalmente no Festival de Toronto e revelou uma cineasta dedicada a temas políticos e femininos. Entre muitos prêmios, o longa foi escolhido melhor filme do júri oficial, do júri popular e da crítica no Festival de Brasília de 1989. A preocupação política volta em “Doces Poderes” (1996), desta vez sob o ponto de vista do marketing das campanhas eleitorais. O filme estreou em 1997 no Festival de Sundance e, no mesmo ano, também foi exibido no Festival de Berlim. Em 2003 filmou “Quase Dois Irmãos”, que lhe rendeu inúmeros prêmios, entre eles os de melhor direção e melhor filme latino Americano pela Fipresci no Festival do Rio 2004, melhor filme no Primeiro Amazonas Film Festival e melhor filme no Festival de Mar Del Plata 2005. No Festival do Rio de 2005 estreou o documentário “O Olhar Estrangeiro” e, na edição de 2007, “Maré, Nossa História de Amor”, uma coprodução Brasil-França. Em 2008, ”Maré” foi selecionado para a mostra Panorama do Festival de Berlim. Em 2012, lançou “Uma Longa Viagem” - que mistura ficção e documentário, sobre sua juventude e a de seus dois irmãos na década de 1960. O filme foi o grande vencedor do Festival de Gramado, eleito pelo juri, público e crítica. Seu novo longa-metragem de ficção, “A Memória Que Me Contam”, uma coprodução Brasil-Chile-Argentina, foi eleito pela FIPRESCI como melhor filme do Festival Internacional de Moscou de 2013.

SOBRE RODRIGO HINRICHSEN:
Como diretor, roteirista e produtor, foi premiado com o longa documentário “Quebrando Tudo”, sobre o músico Hermeto Paschoal, e com o curta-metragem de ficção “Noite de Domingo”, em festivais como Gramado e Festival do Rio. Recentemente, foi diretor assistente da ficção “Infância”, de Domingos Oliveira. Está dirigindo no momento os documentários "A História Natural do Enigma" e “Só por Hoje” e prepara o seu primeiro longa de ficção, "Da Janela Vejo Copacabana", em que assina o roteiro em parceria com José Joffily. Em televisão, dirigiu programas para o National Geographic, History Channel, Discovery, GNT, Canal Futura e TV Brasil. Em cinema, também foi assistente de direção em filmes como "Quase Dois Irmãos", "Menino Maluquinho 2", "Pequeno Dicionário Amoroso", "Dois Perdidos Numa Noite Suja", entre outros.


FICHA TÉCNICA:
A NAÇÃO QUE NÃO ESPEROU POR DEUS
Ano: 2015 / País: Brasil / Gênero: Documentário / Duração: 89 min.
Direção: Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen
Com a participação de: Ademir Matchua, Adeilson Silva, Alvanir Matchua, Aracy Matchua, Daniel Matchua, Edna Marcelino, Lair Silva, Hilario Silva, José Marcelino, Reinaldo Marcelino, Sandra Silva, Vanessa Marcelino e a comunidade Kadiwéu.
Classificação indicativa: à definir.



Os ingressos custam, para o público geral, R$8,00 e, para estudantes, idosos e bancários e jornalistas sindicalizados, R$4,00.

terça-feira, 30 de junho de 2015

"O Crítico" estreia no CineBancários


       O CineBancários traz para Porto Alegre, com exclusividade, o filme inédito “O Crítico”, do diretor argentino Hernán Guerschuny, no dia 2 de julho nas três sessões diárias: 15h, 17h e 19h. O Longa foi exibido na 37a Mostra Internacional de Cinema, no 9º Festival de Cinema Latino-Americano e no 42º Festival de Cinema de Gramado, onde ganhou o prêmio da crítica.


SINOPSE:
“O Crítico” é uma grande comédia romântica (até para quem odeia comédias românticas). Dirigido por Hernán Guerschuny, o filme com a história de Téllez, um severo e renomado crítico de cinema, que odeia comédias românticas e tem a convicção de que o melhor cinema foi o feito no passado. Talvez por seu ofício, sofre do que denomina "la Maladie du Cinéma": vê o mundo como um grande filme que não pode deixar de criticar incessantemente. Ao procurar um novo apartamento, conhece inesperadamente Sofía, uma bela mulher mas que pouco tem a ver com seu estilo. Ele a definiria como "elementar, puro clichê". Porém, o acaso os leva a viver situações dignas de uma comédia romântica. Téllez tenta escapar mas se dá conta que nada pode fazer quanto à vingança do gênero que tanto odeia.  


CRÍTICA:
"Um novo ar para o cinema argentino”
Radio Mitre

“Humor inteligente que foge de clichês”
El Clarín

“Acolhedor, engraçado e pós-moderno”
Raindance Festival, Londres

“Tributo inteligente às comédias românticas”
American Film Institute Festival, Washington


NOTAS DO DIRETOR:
O crítico Téllez é um homem com uma escala de valor bem rígida, preconceituoso e leva uma vida aparentemente estável. Mas rapidamente nos damos conta de que é um homem em crise. E o interessante é que a crise nos põe em movimento, quase que por instinto de sobrevivência. Assim, ele que passou os últimos anos de vida sentado (seja numa cadeira de cinema, com amigos no café ou no escritório escrevendo) é levado a agir. A desculpa é essa mulher que parece saída de um filme (ruim). Mas na verdade, ela poderia ser produto de sua imaginação, algo criado por seu inconsciente e que o impulsiona a sair dessa estrutura tão engessada que o paraliza.

FICHA TÉCNICA:
O CRITICO (El Critico)
Argentina – 2013 – 98 minutos
Direção: Hernán Guerschuny
Elenco: Dolores Fonzi e Rafael Spregelburd



Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$8,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$4,00. 

quarta-feira, 17 de junho de 2015

"Sangue Azul" estreia no CineBancários


O CineBancários estreia o novo filme do diretor Lírio Ferreira (“O Homem que Engarrafava Nuvens”e “Baile Perfumado”) no dia 18 de junho. “Sangue Azul”, o longa metragem inédito, será exibido nas três sessões diárias da sala de cinema: às 15h, 17h15 e 19h30. 



SINOPSE:
Temendo uma relação incestuosa entre seus filhos Raquel e Pedro, Rosa dá a guarda do garoto, então com 10 anos, para Kaleb, dono de um circo em temporada na ilha em que moram. Vinte anos depois, Pedro volta com o nome artístico Zolah, homem bala, estrela do circo Netuno, para resgatar seu passado. O encontro com sua irmã e com sua mãe vai ajudá-lo a entender suas angústias e medos.
Com produção do paulista Renato Ciasca, “Sangue Azul” foi filmado em oito semanas na ilha Fernando de Noronha. Assinam o roteiro do longa o diretor de Casa Grande, Fellipe Barbosa, o corroteirista de Amor, Plástico e Barulho, Sergio Oliveira e o diretor Lírio Ferreira. Pupillo, baterista da banda brasileira de mangue beat Nação Zumbi, elaborou a trilha sonora, com algumas composições próprias e outras em parceria com Arto Lindsay, Vítor Araújo, Otto e Carlos Fernando, além de músicas clássicas. Mauro Pinheiro, diretor de fotografia de Cinema, Aspirinas e Urubus, Linha de Passe, Mutum, entre outros, registrou a beleza da ilha em preto branco e em cores, no filme que fala de mar, arte e amor.
“Sangue Azul” ganhou o prêmio Redentor de melhor filme de ficção da Première Brasil, no Festival do Rio 2014. Em Paulínia, a fotografia de Mauro Pinheiro e o figurino de Juliana Carapeba receberam o prêmio máximo das suas respectivas categorias e no Festival de Berlim 2015, o filme abriu a prestigiada seção Panorama, em exibição hors concours.

LÍRIO FERREIRA (DIRETOR)
Lírio Ferreira codirigiu, com Paulo Caldas, o longa “Baile Perfumado” (1996), um dos filmes mais marcantes da retomada do Cinema Brasileiro. Melhor Filme no Festival de Brasília, também foi exibido nos festivais de Toronto, Havana, entre outros.
“Árido Movie” (2005), o seu segundo longa-metragem, foi selecionado para o Festival de Veneza. Participou ainda dos Festivais do Rio, Miami (Melhor Diretor), Karlory Vary, Paris, Nova York, e CINE PE, onde ganhou seis prêmios, incluindo o de Melhor Filme e Direção .
Em 2007, lançou a cinebiografia “Cartola”, codirigida por Hilton Lacerda, sobre o lendário sambista carioca, que se tornou o documentário de maior bilheteria do ano no Brasil. “O Homem que Engarrafava Nuvens” (2009), teve sua estreia internacional no MoMA, em Nova York e foi selecionado para o IDFA (Festival Internacional de Amsterdam) , além de percorrer inúmeros festivais internacionais. O filme ganhou o prêmio de Melhor Documentário do Ano (2010), pela Academia Brasileira de Cinema.

RENATO CIASCA (PRODUTOR)
Diretor, produtor e roteirista, Renato Ciasca estudou na Faculdade de Cinema da FAAP, formando- se em 1986. Lá conhece Beto Brant e com ele forma uma parceria que já dura mais de 25 anos. Na faculdade dirigem o primeiro curta Aurora e o filme é premiado nos festivais de Gramado e Brasília em 1987. A parceria com Brant foi temporariamente interrompida quando Ciasca decide viajar para fora do país indo primeiro aos EUA, depois Europa, Austrália, Índia e também América do Sul. Na volta, em 1994, engaja-se em Os Matadores, que foi filmado um ano depois. Participou, como produtor e co-roteirista, em outros dois filmes dirigidos por Beto, Ação Entre Amigos (1998) e O Invasor (2001), este já produzido na Drama Filmes fundada por Beto e Renato. Após fazer a produção de Crime Delicado (2006), escreveu e dirigiu o filme Cão Sem Dono (2007), com Beto Brant. Em 2009, produziu Amor Segundo B. Schianberg e em 2011 lança Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios onde assina a direção, produção e roteiro do filme com Beto Brant. No final de 2013 lança como produtor o documentário A Nave-uma viagem com a jazz Sinfônica de SP, dirigido por Luís Otávio de Santi. Atualmente está em fase de comercialização e lançamento do filme Sangue Azul, dirigido por Lírio Ferreira, onde atua como produtor.


ELENCO:
Daniel de Oliveira (Zolah), Caroline Abras (Raquel), Sandra Coverloni (Rosa), Rômulo Braga (Cangulo), Matheus Nachtergaele (Gaetan), Milhem Cortaz (Inox), Laura Ramos (Teorema), Lívia Falcão (Zanoia), Servílio de Holanda (Cuscuz), Glicério Rosário (Camarão), Armando Badaioff (Benigno), Ruy Guerra (Mumbebo), Paulo César Pereio (Kaleb), Brenda Lígia (Jandira), Stefano Catarinelli (Sombra), Rosimeire dos Santos (Luz), Christiane Tricerri (Melina), Fabiana Pirro e Karine Carvalho (Turistas), Rogério de Paula (Capataz), Lia de Itamaraca (Cirandeira), Verônica Silva (Cantora Yemanja), MaximilianKunze (Zolah criança), Maria Lobo Rocha (Raquel criança).

PUPILLO (TRILHA SONORA)
A trilha sonora de “Sangue Azul”, foi composta por Pupillo, baterista da banda brasileira de mangue beat Nação Zumbi. O filme contém várias composições próprias de Pupillo e também parcerias dele com Arto Lindsay, Vítor Araújo, Otto e Carlos Fernando, esta interpretada por Ortinho e tem também músicas clássicas - Romance para Piano e Violino, Op. 11, de Dvorake La Tempestade di Mare, de Vivaldi; música popular brasileira - A Desconhecida, de Fernando Mendes e Conselheiro, de Batatinha e Paulo César Pinheiro; e canções internacionais como Rapsódia Cubana, de Ernesto Lecuona, Desesperadamente, de Gabriel Ruiz e Ricarrdo Lopez Mendez ,interpretada por Marina de la Riva e Le PlatPays, de Jacques Brel, interpretada pelo ator Matheus Nachtergaele.

MAURO PINHEIRO JR (DIRETOR DE FOTOGRAFIA)
Nascido no Recife em 1971, Mauro Pinheiro formou-se em cinema pela Universidade Federal Fluminense, em Niterói. Fotografou inúmeros longas-metragens, entre os quais se destacam “Era Uma Vez Eu, Verônica” (2012), de Marcelo Gomes; “Sudoeste”, de Eduardo Nunes; “O Abismo Prateado”, de KarimAinouz; “As Melhores Coisas do Mundo”, de Laís Bodanzky; “Linha de Passe”, de Walter Salles; “Mutum”, de Sandra Kogut; “Cinema, Aspirinas e Urubus”, de Marcelo Gomes; e “Eu, Tu, Eles”, de Andrucha Waddington, filmes que lhe renderam prêmios em festivais, como os de Brasília, Recife e Guadalajara e na ABC – Associação Brasileira de Cinematografia. Para a TV, fez episódios da série Filhos do Carnaval, produzida pela HBO e pela O2, e do seriado Cidade dos Homens dirigidos por Adriano Goldman e Roberto Moreira.

DRAMA FILMES (PRODUTORA)
Criada em 2001 por Beto Brant e Renato Ciasca, a Drama Filmes produziu cinco títulos lançados nos cinemas do Brasil e do exterior: O Invasor (2002), de Beto Brant, premiado como melhor filme latino americano no Festival de Sundance; Crime Delicado (2006), de Beto Brant; Cão Sem Dono (2007), de Beto Brant e Renato Ciasca; O Amor Segundo B. Schianberg (2010); Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios (2012), dirigido por Beto Brant e Renato Ciasca, estrelado por Camila Pitanga e o documentário A Nave – Uma viagem com a Jazz Sinfônica de São Paulo (2011), dirigido por Luiz Otávio de Santi.

FICHA TÉCNICA:
SANGUE AZUL
Brasil, 2014, 114 min
Diretor: Lírio Ferreira
Produtor: Renato Ciasca
Roteiro: Lírio Ferreira, Fellipe Barbosa, Sérgio Oliveira
Produção Executiva: Renato Ciasca, Mônica Lapa, Julia Bock, Fred Lasmar e Tuca Noronha
Direção de Produção: Renato Rondon
Fotografia: Mauro Pinheiro Jr
Direção de Arte: Juliana Carapeba
Montagem: Mair Tavares e Tina Saphira
Música: Pupillo
Produção: Lírio Ferreira, Beto Brant e Renato Ciasca
Distribuição: IMOVISION



GRADE DE HORÁRIOS:
16 de junho (terça-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

17 de junho (quarta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

18 de junho (quinta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

19 de junho (sexta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

20 de junho (sábado)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

21 de junho (domingo)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

23 de junho (terça-feira) 
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

24 de junho (quarta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

25 de junho (quinta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
 
26 de junho (sexta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

27 de junho (sábado)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

28 de junho (domingo)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

30 de junho (terça-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

1º de julho (quarta-feira)
15h - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
17h15 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira
19h30 - Sangue Azul, de Lírio Ferreira

Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00. 

terça-feira, 2 de junho de 2015

“De Gravata E Unha Vermelha” no CineBancários


     O CineBancários irá estrear, com exclusividade, o longa-metragem “De Gravata e Unhas Vermelhas”, de Miriam Chnaiderman, nas três sessões diárias: 15h, 17h e 19h. O filme ganhou o prêmio Felix de Melhor Documentário no Festival do Rio de 2014.



​SINOPSE:
     O estilista Dudu Bertholini entrevista e revela as experiências peculiares de Laerte, Rogéria, Ney MatoGrosso, Johnny Luxo, Candy Mel e outras personalidades. Com depoimentos de grandes nomes de um mundo transgressor, onde a sexualidade é reinventada, o filme cria uma vertigem a partir do jeito que cada um encontra de se respeitar na construção do próprio corpo. No uso das roupas e na criação de contornos, vão surgindo formas desruptoras de vida.

CRÍTICA:
A divisão Homem – Mulher! O universo do cross dresser! A liberdade de escolha na construção de uma identidade! Assim, podemos definir um pouco sobre o documentário: De Gravata e Unha Vermelha! - Dudu Bertholini

Imagine um time de peso com nomes como de Laerte, Rogéria, Ney Matogrosso e Bianca Exótica, entre outros, debatendo sobre a questão de gêneros – masculino e feminino – no dia a dia? A ideia é ótima e virou documentário - Harpers Bazaar Brasil

No longa-metragem, a psicanalista e documentarista Miriam Chnaiderman volta a câmera aos que curvaram os limites do que é ser homem, mulher ou simplesmente uma pessoa. - Folha de São Paulo – Ilustrada – Trajano Pontes

De uma maneira corajosa, moderna e polêmica, a distinção entre o masculino e feminino é desconstruída por meio dos depoimentos de gente famosa e anônima. - Jornal O Globo- Caderno Ela.
Documentário explora como a desconstrução do masculino e do feminino pode ser libertadora. - Revista Tpm 

FICHA TÉCNICA:
De Gravata e Unhas Vermelhas
2014 / Colorido / Digital / 86 min
País: Brasil
Roteiro: Miriam Chnaiderman
Produção: Reinaldo Pinheiro
Montagem: Tatiana Lohman
Fotografia: Fernanda Rescali
Direção de Arte: Dudu Bertholini
Gênero: Documentário
Classificação: Verificar
Elenco: Dudu Bertholini, Laerte, Rogéria, Ney Matogrosso, João Nery, Johnny Luxo, Candy Mel, Letícia Lanz, Eduardo Laurentino, Walério Araújo

TRAILER:

GRADE DE HORÁRIOS:
2 de junho (terça-feira)
15h – Um Sonho Intenso, de José Mariani
17h - Um Sonho Intenso, de José Mariani
19h - Um Sonho Intenso, de José Mariani

3 de junho (quarta-feira)
15h – Um Sonho Intenso, de José Mariani
17h - Um Sonho Intenso, de José Mariani
19h - Um Sonho Intenso, de José Mariani

4 de junho (quinta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

5 de junho (sexta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

6 de junho (sábado)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

7 de junho (domingo)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

9 de junho (terça-feira) 
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

10 de junho (quarta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

11 de junho (quinta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

12 de junho (sexta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

13 de junho (sábado)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

14 de junho (domingo)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

16 de junho (terça-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

17 de junho (quarta-feira)
15h – De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
17h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman
19h - De Gravata e Unha Vermelha, de Miriam Chnaiderman

Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00.

quinta-feira, 14 de maio de 2015

XI Festival Internacional de Cinema Fantástico de Porto Alegre 2015 no CineBancários

      A 11ª edição do Festival Internacional de Cinema Fantástico de Porto Alegre (Fantaspoa) apresenta, de 15 a 31 de maio, 71 longas e 48 curtas-metragens de mais de 30 países, em mostras competitivas e sessões especiais. As exibições serão no CineBancários e no Cine Santander.

Sinopse, trailers e ficha técnica dos filmes: http://www.fantaspoa.com/2015/






GRADE DE HORÁRIOS FANTASPOA:

15 de maio (sexta-feira)
15h - Starry Eyes, de Kevin Kölsch e Dennis Widmyer
17h - O Que Fazemos Nas Sombras, de Taika Haititi e Jemaine Clemaint
19h - Dead Snow 2: Red Vs. Dead, de Tommy Wirkola
21h30 - Deathgasm, de Jason Lei Howden - Sessão comentada pelo diretor neozelandês Jason Lei Howden

16 de maio (sábado)
13h - Curtas Internaionais I: Goat Wich / Le bal des Méduses / Metamorfoza / Calf Life / Bernards Springtime / Mr. Dentonn / Ratas / If It Turns Bad, Run / Anómalo / Breaths.
15h - Curtas Internacionais II: Time Trap / Dinner for Few / Nightsatan and the Loops of Doom / Luna / Peine de Mort / I`m a Sharpener / Omega.
17h - Curtas Nacionais I (Sessão comentada com os diretores Joel Caetano, Ulisses da Motta Costa, Fernando Sanches, Rafael Duarte, Taísa Ennes Marques, Tatiane Enzweiler e Dante Vescio): Fail Play Fair Pay / Judas / Kassandra / Mariane com E / Caçador / M is for Mailbox / Servido com Candura. - Sessão comentada com os diretores Joel Caetano, Ulisses da Motta Costa, Fernando Sanches, Rafael Duarte, Taísa Ennes Marques, Tatiane Enzweiler e Dante Vescio.
19h - Amuleto, de Jeferson De e Cristiane Arenas - Sessão comentada pelo diretor brasileiro Jeferson De
21h30 - Condado Macabro, de André de Campos Mello e Marcos DeBrito (Sessão comentada pelos diretores brasileiros André de Campos Mello e Marcos DeBrito)

17 de maio (domingo)
13h - Curtas Internacionais III: M is for Marriage / Mycelium / Pandy / The Obvious Child / The Age of Rust / Sweet Cocoon / Dos gatos / The Stomach / Entity / The Herd.
15h - Curtas Internacionais IV: Day 40 / Rabbitland / Dead Hearts / Fortune Faded / Invaders / The Boy With a Camera For a Face / El gigante / Safari / Óscar Desafinado.
17h - Curtas Nacionais II: Repolho / Nua por Dentro do Couro / O Segredo dos Adultos / Blaxploitation: A Rainha Negra / Caveirão / Pray.
19h - A Capital dos Mortos 2, de Tiago Belotti (Sessão comentada pelo diretor brasileiro Tiago Belotti) - Sessão comentada pelo diretor brasileiro Tiago Belotti
21h30 - As Fábulas Negras, de Rodrigo Aragão, Petter Baiestorf, Joel Caetano e José Mojica Marins  - Sessão comentada pelos diretores brasileiros Rodrigo Aragão, Petter Baierstorf e Joel Caetano

18 de maio (segunda-feira)
15h - Dealer, de Jean Luc Herbulot
17h - As Fábulas Negras, de Rodrigo Aragão, Petter Baiestorf, Joel Caetano e José Mojica Marins
19h - Deserto Azul, de Eder Santos (Sessão comentada pelo diretor brasileiro Eder Santos e o produtor brasileiro André Hallak)
21h30 - Extermínio 2, de Juan Carlos Fresnadillo - Sessão comentada pelo diretor espanhol Juan Carlos Fresnadillo

19 de maio(terça-feira)
15h - Gothic Lolita Battle Bear, de Noboru Iguchi
17h - O Homem da Jaqueta Laranja, de Aik Karapetian
19h - Killers, de Kimo Stamboel e Timo Tjahjanto
21h30 - Prematuro, de Dan Beers

20 de maio (quarta-feira)
15h - Hollow, de Ham Tran
17h - Liza, A Fada Raposa, de Károly Ujj Mészáros
19h - Starry Eyes, de Kevin Kölsch e Dennis Widmyer
21h30 - 13 Histórias Estranhas, de Fernando Mantelli, Ricardo Ghiorzi, Claudia Borba, Petter Baiestorf, Marcio Toson, Cesar Coffin Souza, Rafael Duarte e Taisa Ennes Marques, Gustavo Fogaça, Renato Souza e Leo Dias de los Muertos, Paulo Biscaia Filho, Felipe M. Guerra, Filipe Ferreira e Cristian Verardi (Sessão comentada pelos criadores do projeto Ricardo Ghiorzi e Felipe M. Guerra, e outros diretores)

21 de maio (quinta-feira)
15h - True Love Ways, de Mathieu Seiler
17h - Dealer, de Jean Luc Herbulot
19h - The Frame, de Jamin Winans
21h30 - Turbo Kid, de François Simard, Anouk Whissell e Yoann-Karl Whissell (Sessão comentada pelos diretores canadenses Francois Simard, Anouk Whissell e Yoann-Karl Whissell)

22 de maio (sexta-feira)
15h - O Homem da Jaqueta Laranja, de Aik Karapetian
17h - Man From Reno, de Dave Boyle
19h - Re-Animator: A Hora dos Mortos-Vivos, de Stuart Gordon
21h30 - Do Além, de Stuart Gordon (Sessão comentada pelo roteirista norte-americano Dennis Paoli)

23 de maio (sábado)
13h - Gothic Lolita Battle Bear, de Noboru Iguchi
15h - Prematuro, de Dan Beers
17h - Dead Snow 2: Red Vs. Dead, de Tommy Wirkola
19h - Zumbi 2: A Volta dos Mortos, de Lucio Fulci
21h30 - Terror nas Trevas, de Lucio Fulci (Sessão comentada pelo músico italiano Fabio Frizzi)

24 de maio (domingo)
13h - Liza, A Fada Raposa, de Károly Ujj Mészáros
15h - 13 Histórias Estranhas, de Fernando Mantelli, Ricardo Ghiorzi, Claudia Borba, Petter Baiestorf, Marcio Toson, Cesar Coffin Souza, Rafael Duarte e Taisa Ennes Marques, Gustavo Fogaça, Renato Souza e Leo Dias de los Muertos, Paulo Biscaia Filho, Felipe M. Guerra, Filipe Ferreira
e Cristian Verardi
17h - Waste Land, de Pieter Van Hees
19h - O Canal, de Ivan Kavanagh
21h30 - Os Últimos dos Sobreviventes, Thomas S. Hammock (Sessão comentada pelo roteirista Jacob Forman)

25 de maio (segunda-feira)
13h - Hollow, de Ham Tran
15h - O Que Fazemos nas Sombras, de Taika Waititi e Jemaine Clement
17h - Natureza Morta, de Gabriel Grieco (Sessão comentada pelo diretor argentino Gabriel Grieco)
21h30 - O Bunker, de Nikias Chryssos (Sessão comentada pelo diretor alemão Nikias Chryssos)

26 de maio (terça-feira)
15h - Os Últimos dos Sobreviventes, Thomas S. Hammock
17h - Turbo Kid, de François Simard, Anouk Whissell e Yoann-Karl Whissell
19h - The Frame, de Jamin Winans
21h30 - Violador, de Dodo Dayao

27 de maio (quarta-feira)
15h - Natureza Morta, de Gabriel Grieco
17h - Ninja Torakage, de Yoshihiro Nishimura
19h - Killers, de Kimo Stamboel e Timo Tjahjanto
21h30 - O Inverno, de Konstantinos Koutsoliotas (Sessão comentada pelo diretor grego Konstantinos Koutsoliotas e pela produtora e roteirista norte-americana Elizabeth E.)

28 de maio (quinta-feira)
15h - O Canal, de Ivan Kavanagh
17h - Lobocop, de Lowell Dean
19h - True Love Ways, de Mathieu Seiler
21h30 - Stung, de Benni Diez (Sessão comentada pelo diretor alemão Benni Diez)

29 de maio (sexta-feira)
15h - O Inverno, de Konstantinos Koutsoliotas
17h - Violador, de Dodo Dayao
19h - O Bunker, de Nikias Chryssos
21h30 - Spring, de Justin Benson e Aaron Moorhead (Sessão comentada pelos diretores norte-americanos Justin Benson e Aaron Moorhead)

30 de maio (sábado)
13h - Lobocop, de Lowell Dean
15h - Spring, de Justin Benson e Aaron Moorhead
17h - Man From Reno, de Dave Boyle
19h - Stung, de Benni Diez
21h30 - Night of the Living Deb, de Kyle Rankin (Sessão comentada pelo ator norte-americano Michael Cassidy)

31 de maio (domingo)
13h - Ninja Torakage, de Yoshihiro Nishimura
15h - Night of the Living Deb, de Kyle Rankin
17h - Scherzo Diabólico, de Adrián García Bogliano (Sessão comentada pelo diretor espanhol Adrián García Bogliano e a produtora mexicana Andrea Quiroz Hérnandez)
19h - A Casa do Fim dos Tempos, de Alejandro Hidalgo

21h30 - Toda la Noche, de Jimena Monteoliva e Tamae Garateguy (Sessão comentada pelas diretoras e roteiristas argentinas Jimena Monteoliva e Tamae Garateguy)