Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

“Libertem Angela Davis” no CineBancários



  O CineBancários estreia com exclusividade o excelente documentário Libertem Angela Davis, de Shola Lynch,  no dia 11 de dezembro, nas sessões das 15h, 17h e 19h.  O filme retrata a vida de Angela Davis, uma professora de filosofia nascida no Alabama, e conhecida por seu profundo engajamento em defesa dos direitos humanos. Quando Angela defende três prisioneiros negros nos anos 1970, ela é acusada de organizar uma tentativa de fuga e sequestro, que levou à morte de um juiz e quatro detentos. Nesta época, ela se tornou a mulher mais procurada dos Estados Unidos. Ainda hoje, Angela é um símbolo da luta pelo direito das mulheres, dos negros e dos oprimidos. 

FOTOS EM ALTA E TRAILER:
https://www.dropbox.com/sh/luyvu83b1uhs3xf/AACWcQLTSkalFo47JybQvhXpa?dl=0#/

MAIS INFORMAÇÕES

- Will Smith é um dos produtores executivos do documentário, assim como sua esposa, Jada Pinkett Smithe o rapper Jay-Z.

- Foi selecionado na competição oficial dos festivais de Toronto, Londres e Estocolmo.

- “Libertem Ângela Davis” é o segundo documentário da diretora Shola Lynch

- Além da própria Ângela Davis, sua sobrinha, Eisa Davis, também assume o papel da ativista neste documentário. 

RECEPÇÃO

“...o filme é memorável.”      Nouvel Obs

“Um trabalho minucioso com um resultado fascinante.”      L’Express 

“’Libertem Ângela Davis’ é um ato impressionante de pesquisa, edição, e prazer.”      Variety

FICHA TÉCNICA
Direção: Shola Lynch
Roteiro: Shola Lynch
Produção: Carole Lambert, Carine Ruszniewski e Sidra Smith
Fotografia: Sandi Sissel
Edição: Lewis Erskine e Marion Monnier
Gênero: Documentário
País: EUA/França
Ano: 2012
COR
Tempo: 102 min.
Classificação: 10 anos
Elenco: Ângela Davis, Eisa Davis.

GRADE DE HORÁRIOS
11 de dezembro (quinta-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

12 de dezembro (sexta-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

13 de dezembro (sábado)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

14 de dezembro (domingo)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

16 de dezembro (terça-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

17 de dezembro (quarta-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

18 de dezembro (quinta-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

19 de dezembro (sexta-feira)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

20 de dezembro (sábado)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch

21 de dezembro (domingo)
15h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
17h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch
19h – Libertem Angela Davis, de Shola Lynch


Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00. 

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

CineBancários exibe o filme "Os Amigos"



O CineBancários irá exibir, a partir do dia 4 de dezembro (quinta-feira), o longa metragem "Os Amigos", de Lina Chamie. O filme irá dividir o espaço de cinema com "Meninos de Kichute", de Luca Amberg, ficando nas sessões das 15h e 19h.

Na história de "Os Amigos", Téo (Marco Ricca) é um arquiteto solitário que passa por uma fase difícil na vida, devido ao falecimento de seu melhor amigo na infância. Sua melhor amiga na atualidade é Majú (Dira Paes), mãe de duas crianças que vive tentando arranjar uma namorada para ele. Ao longo do dia Téo se perde em meio às lembranças do passado, o que faz com que visite a viúva Lígia (Sandra Corveloni), e as atribuições do trabalho.


FICHA TÉCNICA
Gênero: Drama
Direção: Lina Chamie
Roteiro: Lina Chamie
Elenco: Caio Blat, Dira Paes, Fernando Alves Pinto, Marco
Ricca, Maria Manoella, Rodrigo Lombardi, Sandra Corveloni,
Teka Romualdo
Produção: Patrícia Faria
Fotografia: ABC, Jacob Solitrenick
Montador: Karen Harley
Trilha Sonora: Benjamin Britten, Camille Saint-Saëns,
Edvard Grieg
Duração: 89 min.

GRADE DE HORÁRIOS
4 de dezembro (quinta-feira)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

5 de dezembro (sexta-feira)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

6 de dezembro (sábado)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

7 de dezembro (domingo)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

9 de dezembro (terça-feira)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

10 de dezembro (quarta-feira)
15h - Os Amigos, de Lina Chimie
17h - Meninos de Kichute, de Luca Amberg
19h - Os Amigos, de Lina Chimie

Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00. 


quarta-feira, 26 de novembro de 2014

“Meninos de Kichute” no CineBancários



O CineBancários lança no dia 27 de novembro o longa-metragem “Meninos de Kichute”, de Luca Amberg. O filme é baseado no livro homônimo de Márcio Américo, que assina o roteiro com Luca Amberg. Estrelado por Vivianne Pasmanter, Werner Schünemann, Arlete Salles, Paulo César Pereio e Lucas Alexandre, além da participação especial de Mario Bortolotto. 

Produção da Amberg Filmes lançada pela Pandora&Nomade, “Meninos de Kichute” é a história universal de um garoto que sonha ser jogador de futebol. No caso de Beto (Lucas Alexandre), goleiro. O pano de fundo da trama tem um colorido especial ao retratar com fidelidade os costumes nas pequenas cidades brasileiras dos anos 70: o machismo, as relações familiares, a infância que brinca na rua, bate figurinha, assiste aulas de Educação Moral e Cívica e canta o Hino na escola estadual. Tudo embalado por uma trilha sonora que vai de Os Incríveis a Lindomar Castilho, de Secos e Molhados a Jorge Bem.

Apesar da ficção se passar na época da ditadura militar, os jovens protagonistas querem mesmo é aproveitar a infância, jogar bola nos campinhos do bairro, brincar no ferro velho, disputar figurinhas. Beto é o filho do meio de uma família humilde e vive com os pais, Lázaro e Maria (Werner Schünemann e Vivianne Pasmanter), e os dois irmãos. Sua vida simples é típica de qualquer garoto de sua idade: ida à escola, brincadeira com os amigos, travessuras repreendidas, cumplicidade com a irmã.

Mas o sonho de se tornar goleiro o coloca diante de vários obstáculos, sobretudo a resistência do pai. Apesar dos castigos para tentar impedi-lo de jogar, Beto insiste. Mais que isso, monta o clubinho “Meninos de Kichute” com os amigos. Nessa missão, ele tem o apoio de Dona Leonor (Arlete Salles), uma simpática vizinha que lhe dá até um novo par de Kichutes para fazer bonito frente ao “olheiro” que passa pela cidade.

PRÊMIOS
O longa participou da 34ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, quando ganhou o prêmio de melhor filme brasileiro pelo júri popular. No Los Angeles Brazilian Film Festival 2013 (LABRFF) também faturou o prêmio de melhor atriz para Vivianne Pasmanter.

FICHA TÉCNICA
“Meninos de Kichute”, de Luca Amberg
Brasil, 2010, 102 min, cor, som Dolby Digital
Direção: Luca Amberg
Elenco: Lucas Alexandre, Vivianne Pasmanter, Werner Schünemann, Arlete Salles, Paulo César Pereio, Mario Bortolotto, Mayara Comunale, Vinícius Azar Damas
Produção: Amberg Filmes
Roteiro: Luca Amberg e Marcio Américo
Fotografia: Cristiano Dittrich Wiggers
Direção de Arte: Leandro Vilar
Figurino: Joana Gatis
Produção Executiva: Tiago Berti
Preparação de atores mirins: Lucia Segall e Marcio Américo
Produção de Elenco: Cássia Guindo
Som Direto: Thiago Bitencourt
Sonoplastia: Pedro Lima e Caito Cyrillo
Trilha Sonora: Netinho (Os Incríveis)
Montagem: Tiago Berti, Marcio Américo e Luca Amberg

RECEPÇÃO DOS CRÍTICOS
“É um dos filmes mais simpáticos e bons de ver dos últimos tempos”
Rubens Ewald Filho

“Com bom nível de realização e equilíbrio entre pequenos dramas e humor, destaque para o elenco infantil: com muita espontaneidade, as crianças batem um bolão!”
Susana Schild (O Globo)

“Singelo em suas ambições, propõe com exemplar dignidade um nostálgico e afetuoso mergulho no tempo”
Carlos Eduardo Lourenço Jorge (Jornal de Londrina)


Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Pernamcubanos no CineBancários


  Nos dias 25 e 26 de novembro, nas sessões das 17h e 19h o CineBancários exibe o documentário inédito “Pernamcubanos, o Caribe que nos une”, de Nilton Pereira. No filme são retratadas as similitudes culturais, musicais e religiosas entre dois espaços de matrizes africanas: Cuba e Pernambuco.
Documentário sobre as identidades culturais entre Cuba e Pernambuco, com ênfase na música e religiões de matrizes africanas. A narrativa é feita através dos olhares de duas artistas: Fatima Patersen, atriz e diretora de teatro cubana, e Beth de Oxum, coquista e mãe de santo pernambucana. Filmado em Recife, Olinda, Nazaré da Mata, Santiago de Cuba, Baracoa, Guantanamo, Barrancas, Sierra Maestra e Matanzas, o filme mostra que o Caribe cultural é muito maior do que o geográfico, porque é formado por pessoas com origens e histórias que se assemelham e entrecruzam.




TRAILER:

FOTOS EM ALTA:

FILME COMPLETO:


FICHA TÉCNICA:
Direção, roteiro e fotografia: Nilton Pereira
Direção de produção e elaboração de projeto: Eduardo Homem
Produção: Alice Chitunda e Valentina Homem
Ano de produção: 2012
Gênero: Documentário
País de origem: Brasil
Duração: 73 minutos

GRADE DE HORÁRIO:
25 de novembro (terça-feira)
15h – Castanha, de Davi Pretto
17h – Pernamcubanos: o Caribe que nos une
19h – Pernamcubanos: o Caribe que nos une

26 de novembro (quarta-feira)
15h – Castanha, de Davi Pretto
17h – Pernamcubanos: o Caribe que nos une
19h – Pernamcubanos: o Caribe que nos une


Os ingressos podem ser adquiridos no local a R$6,00. Estudantes, idosos, bancários sindicalizados e jornalistas sindicalizados pagam R$3,00.


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

CineBancários exibe o aguardado longa gaúcho Castanha



O CineBancários estreia o longa-metragem Castanha, de Davi Pretto, no dia 20 de novembro, às 15h, e fará uma exibição especial no dia 17, às 19h, com bate-papo com a equipe do filme. A sessão especial faz parte da programação da 18ª Parada Livre da cidade e terá entrada franca.
 O filme retrata a vida de João Carlos Castanha, um ator de 52 anos que trabalha na noite como transformista em baladas gays. Castanha vive com a mãe septuagenária, Celina, no subúrbio de Porto Alegre e, por estar solitário e com a saúde frágil, começa a confundir a realidade com a sua imaginação. Misturando ficção e documentário, o filme estreou no Festival de Berlim em fevereiro e, desde então, já foi apresentado em outros grandes festivais como Bafici (Buenos Aires), Edimburgo (Escócia), Hong Kong e no Lincoln Center (Nova York).
 Os ingressos do CineBancários custam R$6,00 e, para estudantes, idosos e jornalistas e bancários sindicalizados, são R$3,00.


NA IMPRENSA:

”É, contudo, pelo aspecto sensível, pelo resultado, que percebe-se uma singularidade – e uma tônica contínua – nessa obra”
Pablo Gonçalho, Revista Cinética, Brasil.


”Castanha intrigues and absorbs on a scene-by-scene basis”
Neil Young, Hollywood Reporter, Estados Unidos.


”Pretto does a terrific job of seamlessly integratin fiction and non-fiction”
Steven Erickson, Fandor, Estados Unidos.

“De lo mejor que nos ha regalado últimamente el nuevo cine brasileño”
Diego Batlle, Otros Cines, Argentina.

FESTIVAIS:

* 64° Berlinale - Berlin International Film Festival - Forum, 2014;
* 38° Hong Kong International Film Festival - Young Cinema Competition, 2014;
* Art of the Real - Film Society Lincoln Center, 2014;
* 16° BAFICI - Buenos Aires Festival Internacional de Cine Independiente - Competencial Internacional, 2014 (Menção Especial no Prêmio FEISAL);
* 21° CineLatino Tübingen - Competition, 2014;
* CPH:PIX - Front Runners, 2014;
* 14° Las Palmas Film Festival - Official Competition, 2014 (Prêmio de Melhor Ator);
* 68° Edinburgh International Film Festival - Documentary Competition, 2014;
* DocMontevideo 2014 - Documentary Week;
* 6o Festival de Cinema de Paulínia - Competição Oficial, 2014 (Prêmio de Melhor Som);
* 1o Farol - Festival Internacional de Cinema de Fortaleza, 2014;
* 18° Queer Lisboa International Film Festival - Competição Documentário;
* San Francisco Latino Film Festival 2014;
* 36° Festival do Rio - Première Brasil Novos Rumos;
* 9° BrasilCine - Brazilian Film Festival in Scandinavia;
* 2o Diálogo de Cinema, 2014 (Filme de Abertura).

TRAILER:
http://youtu.be/El7iLi_ZD5M 

FICHA TÉCNICA:
Direção: Davi Pretto
Elenco: João Carlos Castanha, Celina Castanha
Gênero: Drama, documentário
Duração: 95 minutos
País de origem: Brasil

GRADE DE HORÁRIOS:
17 de novembro (segunda-feira)
19h – Castanha (sessão especial com bate-papo com a equipe do filme)

20 de novembro (quinta-feira)
15h - Castanha
17h - Raça
19h - Abolição

21 de novembro (sexta-feira)
15h - Castanha
17h - Cinderela, lobos e um príncipe encantado
19h - Finzan

22 de novembro (sábado)
15h - Castanha
17h - Guimba
19h - Raça

23 de novembro (domingo)
15h - Castanha
17h - Cinderela, lobos e um príncipe encantado
19h - Abolição

25 de novembro (terça-feira)
15h - Castanha
17h - Pernamcubanos - O Caribe Que Nos Une
19h - Pernamcubanos - O Caribe Que Nos Une

26 de novembro (quarta-feira)
15h - Castanha
17h - Pernamcubanos - O Caribe Que Nos Une
19h - Pernamcubanos - O Caribe Que Nos Une

Mostra: A Consciência do Cinema Negro


O CineBancários celebrará o Dia da Consciência Negra com a mostra A Consciência do Cinema Negro, de 18 a 23 de novembro nas sessões das 17h e 19h. O evento, que conta com o apoio da Cinemateca da Embaixada da França, da Casa de Criação Cinema, do Centro Afro Carioca de Cinema e do realizador Joel Zito Araújo, tem como objetivo mostrar os trabalhos dos cineastas brasileiros como o próprio Joel Zito Araújo, Zozimo Bubul e o maliense Cheick Oumar Sissoko. A entrada será franca.
Sissoko um dos mais importantes realizadores africanos, Zozimo Bubul, foi um dos pioneiros do cinema negro nacional e Joel Zito Araújo, um dos mais representativos nomes do cinema brasileiro contemporâneo. O conjunto do cinema dos três realizadores valoriza a identidade da cultura brasileira e africana, oportunizando ao espectador uma importante reflexão sobre o tema.

OS CINEASTAS:
Cheick Oumar Sissoko: Já venceu sete prêmios internacionais e foi nomeado a outros três. Reconhecido como um dos mais importantes cineastas africanos e um dos pioneiros do Cinema da Verdade, Sissoko também já foi Ministro da Cultura do Mali e ocupa hoje o cargo de Secretário Geral da Associação Africana de Cineastas.
Joel Zito Araújo: Premiado cineasta brasileiro, há vinte anos produz documentários e filmes de ficção sobre temas sociais relevantes para o país, especialmente aqueles ligados à população afro-brasileira. Seu primeiro longa-metragem “A Negação do Brasil”, sobre a história do negro nas telenovelas brasileiras, ganhou o prêmio de melhor documentário no festival É Tudo Verdade, além de ter sido também premiado no Festival de Recife em 2001. O longa-metragem de ficção “Filhas do Vento” reuniu o maior elenco negro da história do cinema brasileiro e ganhou oito kikitos no Festival de Gramado, além de ter sido o filme vencedor do Festival de Tiradentes, em 2006. O longa-metragem de documentário “Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado”, sobre o turismo sexual no país, foi exibido no Brasil e no exterior. Joel, que tem dois livros publicados, escreve extensamente sobre a mídia e a questão racial no país. Joel é PhD em Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e foi professor-visitante na Universidade do Texas, em Austin (EUA), onde fez seu pós-doutorado.
Zozimo Bubul: Iniciou sua carreira em meados dos anos 60, Zózimo Bulbul, despontou como ator nos anos áureos do Cinema Novo, tendo atuado em filmes muito importantes na História do CinemaBrasileiro, e trabalhou com os diretores: Glauber Rocha, Leon Hirzman, Caca Diegues, Antunes Filho e outros. Trabalhou em aproximadamente 30 filmes como ator. Zózimo foi o primeiro protagonista negro de uma novela brasileira, fazendo par romântico com Leila Diniz em “Vidas em Conflito”.
 Insatisfeito com a condição reservada aos negros nas telas decidiu escrever e dirigir seus próprios filmes. Em 1974, dirige o curta metragem em preto e branco “Alma no Olho”, considerado uma das melhores obras da cinematografia afro descendente. Em 1988 lança o seu longa metragem “Abolição”, que propõe uma reflexão crítica sobre a então comemoração dos 100 anos da abolição da escravatura. Dirigiu também inúmeros curtas, sempre com um olhar para o negro na sociedade brasileira: “Aniceto do Império” (1981), “Samba no Trem” (2000), “Pequena África” (2002), entre outros.

OS FILMES:
FINZAN (De Cheick Oumar Sissoko. França, Mali – 1989 - Drama social - em cores - 105 minutos)
Este filme confronta as tradições patriarcais do Mali, incluindo a controversa questão da circuncisão feminina. A viúva recente Nanyuma se sente livre do tratamento cruel de seu falecido marido. Ela sai da aldeia com sua sobrinha Fili, mas é eventualmente forçada a regressar. Nanyuma percebe que sua única chance de reclamar a própria liberdade será abandonando a comunidade.
GUIMBA (De Cheick Oumar Sissoko. França, Mali - 1995 - Drama social - em cores – 93 minutos)
Sitakili, uma cidade do Sahel, vive sob a dominação de um homem, Guimba Dunbaya e seu filho Janguiné. Kani Coulibaly é noiva de Janguiné desde que nasceu. Ela é agora uma bela moça, muito cortejada, mas nenhum pretendente ousa declarar-se, de tão grande o terror imposto por Guimba. Durante uma visita de cortesia a Kani, Janguiné apaixona-se por Meya, a mãe de sua noiva, e quer casa com ela. Para satisfazer o capricho do filho, Guimba expulsa Mambi, marido de Meya. Este refugia-se em uma aldeia de caçadores e organiza a revolta contra o tirano. *Ganhador do Etalon de Yennenga* *Prêmio de melhores Figurino e Decoração, Fespaco 1995*
RAÇA (De Joel Zito Araújo e Megan Mylan. Brasil e EUA – 2013 - Documentário - em cores – 104 minutos)
A história de três pessoas na linha de frente da batalha contemporânea pela igualdade em um país que se orgulha de ser exemplo de democracia racial: um famoso cantor negro, que lança uma emissora de TV; o único senador negro do estado luta pelo Estatuto da Igualdade Racial, e uma neta de africanos escravizados com o objetivo de defender os direitos de sua terra ancestral.
CINDERELAS, LOBOS E UM PRÍNCIPE ENCANTADO (De Joel Zito Araújo. Brasil – 2008 – Documentário – em cores - 108 minutos)
Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado é um filme brasileiro de 2008, do gênero documentário, dirigido por Joel Zito Araújo. Lançado no Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro de 2008, recebeu menção honrosa no Festival Internacional de Cinema de Brasilia em 2008, os prêmios de Melhor Filme e Melhor Direção na 9ª edição do Festival Iberoamericano de Cinema de Sergipe (Curta-SE 9), Melhor Longa-metragem e Melhor Documentário do III Bahia Afro Film Festival, Melhor Documentário pelo voto popular e Menção Honrosa do Júri do VII Mostra Vidas na Tela, em 2009No longa, viajando pelo nordeste brasileiro e pela Europa, na Itália e Alemanha, o diretor discute o sonho de Cinderela de várias mulheres brasileiras que buscam encontrar um marido europeu. Muitas migram e se tornam dançarinas em apresentações de ritmos ligados ao Brasil. Sem estudo ou formação profissional, outras se transformam em prostitutas. Mas, uma minoria consegue criar o seu final feliz.
ABOLIÇÃO (De Zozimo Bulbul. Brasil – 1988 – Documentário – em cores - 153 min)
Produzido em 1988, faz o resgate de 100 anos de abolição no país, através de um olhar preto. Entrevistas com personagens importantes para a preservação da cultura, como Abdias do Nascimento, Lélia Gonzalés, Beatriz do Nascimento, Grande Otelo, Joel Ruffino, Dom Elder Câmera em contraposição com D. João de Orleans e Bragança e Gilberto Freire. Um importante documento das ideias desses pensadores, como também de presidiários, mendigos e artistas populares na sua maioria negros. Questiona que tipo de abolição houve neste país já que a situação 100 anos depois continuava de muita luta, desigualdade e racismo.

TRAILERS:
Cinderelas, Lobos e um Principe Encantado:
Raça:

GRADE DE HORÁRIOS:
18 de novembro (terça-feira)
15h - Ritos de Passagem, de Chico Liberato
17h – Finzan, de Cheick Oumar Sissoko
19h – Raça, de Joel Zito Araújo e Megan Mylan

19 de novembro (quarta-feira)
15h - Ritos de Passagem, de Chico Liberato
17h – Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo
19h – Guimba, de Cheick Oumar Sissoko

20 de novembro (quinta-feira)
15h – Catanha, de Davi Pretto
17h – Raça, de Joel Zito Araújo e Megan Mylan
19h – Abolição, de Zozimo Bulbul

21 de novembro (sexta-feira)
15h - Catanha, de Davi Pretto
17h – Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo
19h – Finzan, de Cheick Oumar Sissoko

22 de novembro (sábado)
15h - Catanha, de Davi Pretto
17h – Guimba, de Cheick Oumar Sissoko
19h – Raça, de Joel Zito Araújo e Megan Mylan

23 de novembro (domingo)
15h - Catanha, de Davi Pretto
17h – Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado, de Joel Zito Araújo
19h – Abolição, de Zozimo Bulbul 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

CineBancários exibe curtas do 1º Festival de Cinema Universitário de Porto Alegre



O CineBancários irá receber e exibir os curtas-metragens realizados por estudantes de cinema selecionados para o 1º Festival de Cinema Universitário de Porto Alegre durante os dias 13 a 16 de novembro, nas sessões das 17h e 19h.

O objetivo do evento, que é produzido pelo Fantaspoa em parceria com o CineBancários e o Santader Cultural, é permitir com que os gaúchos conheçam obras artisticamente ricas e arrojadas que dificilmente chegariam ao grande público. A entrada é franca e todas as sessões das 19h serão comentadas pelos diretores e produtores dos curtas. Confira a grade de horários do CineBancários:

GRADE DE HORÁRIOS:

13 de novembro (quinta-feira)
15h - Ritos de Passagem
17h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 2
Água, de Giulia Góes (16 minutos)
Conflito, de Yuri Cesar Lima Correa (8 minutos)
A Gaiola, de Samira Daher (2 minutos)
A Eleição é uma Festa, de Fábio Rogério (15 minutos)
Do Lado de Dentro, de Fernando Del Corona (10 minutos)
Codinome Beija-Flor, de Higor Rodrigues (20 minutos)
Gato Preto, de Caio de Moura Rodrigues (15 minutos)
19h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 3 (sessão comentada)
Balão Selvagem, de Marina Kerber (13 minutos)
Eclipse Musical, de Rafael Arce Nunes (2 minutos)
O Pai do Homem, de Giordano Toldo (12 minutos)
Fora da Onda, de Pedro Henrique Saraiva Gino (14 minutos)
Carga Viva, de Débora de Oliveira (18 minutos)
Da Vida Só Espero a Morte, de Julia Ramos (8 minutos)
Autoridade, de Danilo Daher (16 minutos)
Sobre a Pele e a Parede, de Henrique Larré e Laura Kleinpaul (11 minutos)

14 de novembro (sexta-feira)
15h - Ritos de Passagem
17h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 4
No Interior da Minha Mãe, de Lucas Sá (18 minutos)
Sombras na Esfera Celeste, de Matheus Medeiros Borges (4 minutos)
O Mesmo Céu, de Ariel Artur (12 minutos)
Roda Gigante, de Júlia Barth (16 minutos)
Servido com Candura, de Tatiane Enzweiler (13 minutos)
Aquenda Nela, de Bárbara Cabeça (18 minutos)
19h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 5 (sessão comentada)
Fail Play Fair Pay, de Alexander Desmouceaux (3 minutos)
Daqui a Cinco Anos, de Flávio Artioli, Rodrigo Faustini, Isabela Castellani e Cauê Mopesil (24 minutos)
O Matador de Bagé, de Felipe Iesbick (15 minutos)
Closet, de Thiago Lopes de Abreu (10 minutos)
Marcelo, de Jéssica Lopes Godinho (13 minutos)
Um Estranho Ninho, de Matheus Heinz (15 minutos)
Claudine Não Podia Esperar, de Karen Eggers e Leonardo Michelon (4 minutos)

15 de novembro (sábado)
15h - Ritos de Passagem
17h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 3
Balão Selvagem, de Marina Kerber (13 minutos)
Eclipse Musical, de Rafael Arce Nunes (2 minutos)
O Pai do Homem, de Giordano Toldo (12 minutos)
Fora da Onda, de Pedro Henrique Saraiva Gino (14 minutos)
Carga Viva, de Débora de Oliveira (18 minutos)
Da Vida Só Espero a Morte, de Julia Ramos (8 minutos)
Autoridade, de Danilo Daher (16 minutos)
Sobre a Pele e a Parede, de Henrique Larré e Laura Kleinpaul (11 minutos)
19h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 4 (sessão comentada)
No Interior da Minha Mãe, de Lucas Sá (18 minutos)
Sombras na Esfera Celeste, de Matheus Medeiros Borges (4 minutos)
O Mesmo Céu, de Ariel Artur (12 minutos)
Roda Gigante, de Júlia Barth (16 minutos)
Servido com Candura, de Tatiane Enzweiler (13 minutos)
Aquenda Nela, de Bárbara Cabeça (18 minutos)

16 de novembro (domingo)
15h - Ritos de Passagem
17h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 5
Fail Play Fair Pay, de Alexander Desmouceaux (3 minutos)
Daqui a Cinco Anos, de Flávio Artioli, Rodrigo Faustini, Isabela Castellani e Cauê Mopesil (24 minutos)
O Matador de Bagé, de Felipe Iesbick (15 minutos)
Closet, de Thiago Lopes de Abreu (10 minutos)
Marcelo, de Jéssica Lopes Godinho (13 minutos)
Um Estranho Ninho, de Matheus Heinz (15 minutos)
Claudine Não Podia Esperar, de Karen Eggers e Leonardo Michelon (4 minutos)
19h - [1° FESTIVAL DE CINEMA UNIVERSITÁRIO] Competitiva 2 (sessão comentada)
Água, de Giulia Góes (16 minutos)
Conflito, de Yuri Cesar Lima Correa (8 minutos)
A Gaiola, de Samira Daher (2 minutos)
A Eleição é uma Festa, de Fábio Rogério (15 minutos)
Do Lado de Dentro, de Fernando Del Corona (10 minutos)
Codinome Beija-Flor, de Higor Rodrigues (20 minutos)
Gato Preto, de Caio de Moura Rodrigues (15 minutos)